No post de hoje queria mostrar-vos algumas fotografias que tenho partilhado no instagram e como têm sido os meus dias, mas enquanto fazia scroll no meu feed do facebook deparei-me com um artigo do Daily Mail. Este artigo fala sobre uma blogger de viagem, Sara Melotti, e expõe o que ela diz sobre o lado negro do instagram, sobre o quanto esta plataforma mudou ao longo do tempo e sobre os "dirty little secrets" - ou seja, as táticas sujas que alguns instagrammers (famosos) utilizam para ganhar seguidores, likes e terem um maior boost. Podem ler o artigo completo aqui. E, como não podia concordar mais com tudo o que ela diz, achei pertinente trazer este assunto aqui ao blog, especialmente neste "lately on instagram".


Sim, é verdade. Ainda me lembro quando instalei o instagram pela primeira vez e o utilizava apenas como um editor de fotografias até que passado uns meses as pessoas começaram a utilizá-lo como uma plataforma criativa onde se podia partilhar arte, trabalho e outras fotografias random do dia-a-dia onde o critério era zero - pelo menos eu lembro-me de publicar fotografias mega aleatórias de frases de pacotes de açucar ou simplesmente .

Hoje em dia o instagram não é uma simples rede social, é uma plataforma que serve para fazer publicidade - um avertising outlet, como ela diz -, e que nos pode tornar num digital influencer. Quando o instagram começou a ser visto desta forma, surgiu o "dark side" a que a Sara Melotti se refere: pagar a robôs para ganhar likes e comentários de forma a aumentar o alcance da conta de instagram, enganando o algoritmo, ou comprar likes e seguidores. Entretanto com a mudança do algoritmo do instagram, este lado negro só veio a piorar uma vez que todos queremos ter a melhor performance possível para que as nossas fotografias apareçam nos feeds dos nossos seguidores.

O instagram para alguns tornou-se num jogo vicioso e altamente competitivo, mas vocês podem escolher jogar limpo ou juntar-se à "máfia", como ela chama, recorrendo a estas tácticas manhosas para ganharem números - sim, porque na realidade não passam de números. A verdade é que todos acabamos por ser influenciados e deixamo-nos levar por esta competitividade.

Sejamos honestos, quem é que não gosta de ver as suas fotografias a receber likes e likes sem parar ou simplesmente tentar chegar àquele número que tanto queremos? Até eu já dei por mim a publicar fotografias no instagram e a fazer refresh vezes sem conta para ver se a fotografia estava a "render" ou não e, se achasse que não estava a ter likes suficientes nos primeiros segundos, tirava a fotografia e voltava a publicar mais tarde, numa hora melhor - parece ridículo, não é? Mas é verdade. E como eu devem haver mais 500 pessoas iguais e outras, talvez, ainda piores. Entretanto, deixei esta obsessão de lado porque comecei a ver que era ridiculo e não é de todo algo saudável. O instagram é só uma rede social e por vezes confundimo-la com a vida real e atribuimos um valor aos likes que é completamente absurdo, quase como se fosse um sinónimo de aprovação social. NÃO É!


Basicamente vivemos num mundo onde somos obcecados com estas estatisticas, que não passam de números, e agimos como se todo o nosso sucesso dependesse disso (em alguns casos até pode influenciar, mas se formos autênticos e genuínos, não nos devemos preocupar com isso), A verdade é que no fundo todos queremos ter gostos e números porque, indiretamente, isso faz-nos sentir melhor e aumenta o ego de qualquer pessoa.

O meu conselho é, como em tudo na vida, não nos deixarmos levar por esta competitividade nem ficar obcecados com estes números, mas sim deixar tudo fluir naturalmente - como costumam dizer "tudo acontece quando menos se espera". 

Enfim. Queria só mesmo mostrar-vos algumas das fotografias que tenho publicado no meu instagram e também vos queria dizer que podem ver aqui como edito as minhas fotografias. Aliás, agora edito as fotografias de uma forma um bocadinho diferente e tenho recebido algumas mensagens a perguntar que filtros e aplicações utilizo, por isso estava a pensar fazer um post a explicar tudinho, querem?

Btw, se és um instagram addicted e não tens problemas em admiti-lo vê aqui como podes dar a conhecer a tua conta a outros utilizadores e como podes crescer no instragram, de uma forma limpa e sem esquemas.

                                                                                 Instagram

5 comentários

  1. Gostei mesmo muito. Relaciono-me com o que disseste e realmente sinto-me injustiçada quando contas desequilibradas (com milhares de seguidores fantasmas e poucos likes, ou vice versão). O insta tornou-se um negocio e já não uma galeria de arte. E é triste ver no que se tornou.

    ResponderEliminar
  2. Concordo totalmente com esse artigo. Já fiz exactamente o que dizes (de apagar e publicar mais tarde) mas acho que à medida que tentamos ser mais criativos e melhorar o nosso instagram e vemos que o algoritmo do insta "nos manda para baixo do tapete", começa a haver cada vez mais frustração que dá aso a essas coisas. Apesar de ser contra essas tácticas manhosas, às vezes vejo fotos terríveis de há dois anos, sem edição e sem luz decente, com mais likes que nas que publico hoje onde me esforço mais e fico tipo "porqueeeeee" ahah.
    O instagram cada vez mais parece um vício e acho que tenho de fazer um detox ahah

    Marta Rodrigues, Majestic

    ResponderEliminar
  3. Eu confesso que cada vez ando a deixar mais o instagram porque o algoritmo me tem desmotivado bastante. Tornou-se quase um vício tentar aumentar o alcance da fotografia de todas as maneiras e mais algumas e isso só faz é mal!

    THE PINK ELEPHANT SHOE // INSTAGRAM //

    ResponderEliminar
  4. Tao verdade aquilo que dizes... de facto e super verdade como e que alguns contas que nao fazem sentido nenhum tem tantos followers e outras pessoas normais como nos que pusemos tanto "effort" para parece tudo bonitinho nao saimos da sepa torta.... deixa la mais vale pouco e com qualidade do que muito e fraco :)

    beijinhos querida e btw adoro o teu instagram :)

    YOUTUBE MORE_ELI

    ResponderEliminar

Instagram